NOSSAS REDES SOCIAIS

  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
Buscar

A Jornada do Herói[i] em Star Wars (e conosco).

Por Mônica Clemente.


Como um gato correndo atrás do rabo, nos vemos presos em um mesmo obstáculo, sem saída. De repente, do R2PO, surge o holograma da princesa Leia pedindo ajuda contra a Estrela da Morte. Foi como se ela dissesse:


- A forca ou a força?


Na força estão todos os poderes ocultos da gente. Lá, o novo ultrapassa a família, até as abusivas. Vence relacionamentos destrutivos, medo de ter filhos ou de não ter, de ser o que se quer e nem sabemos. O chamado à aventura da jornada do Herói tem 12 fases:


1) O Mundo Comum: Luke Skywalker desmonta robôs, mas anseia estrelas. (O que você quer e o mundo quer de você?);


2) O Chamado à Aventura: a princesa Leia chama Luke para a rebelião. (Engravidamos - tod@s - sem “querer”; temos pais ou parcerias abusivas; trabalhos sem sentido; não sabemos para onde ir, etc.);


3) A Recusa: os tios do órfão Luke não queriam que ele partisse. (Não somos capazes? Pais, amigos, sociedade são culpados de estarmos assim?);


4) O Encontro com o Mentor: Obi Wan Kinobe treina Luke para ser Jedi. (Temos um sonho, um analista, grupos de amigos, uma filosofia que consegue “nos salvar” do que bloqueia, mas o caminho é nosso e intrasferível.);


5) A Travessia Do 1º Limiar: Luke contrata Han Solo e Chewbacca para leva-los até a princesa Leia e sua rebelião. (Entramos no mundo mágico, lá onde estão nossos poderes. Aceitamos os ônus e bônus da travessia? Aguentamos a culpa de fazer um pouco diferente?);


6) Provas, Aliados, Inimigos: Darth Vader é inimigo perigoso. (Muitos abortaram e abandonaram filhos na família? Não seguiram o chamado e se acomodaram? Como fazer diferente sem ser pretensioso?);


7) A Caverna Secreta: O mestre Yoda treina Luke que descobre seus poderes “Na caverna que você teme entrar tem os tesouros que você procura”[ii] – Joseph Campbell. (Damos conta de ser pai ou mãe, embora a sociedade queira o diploma ou o companheiro/a certos? Bancamos nossas escolhas? Aguentamos o tranco da nossa sombra?);


8) A Provação: Luke, agora Jedi, enfrenta Darth Vader. Ou o outro lado da força. (Quem disse que seria fácil? Todo poder desafia eticamente, faz parte da jornada. Você tem um preço ou é incorruptível?);


9) Recompensa: Luke descobre a força. Nós também!


10) O Retorno: Luke e Leia descobrem algo a respeito de suas origens que não sabiam. Assim, entendem toda a tramas que os envolveu até então. (Volta ao mundo de outrora, naquela parte do obstáculo que parecia impossível de ultrapassar, mas agora transformados com o que aprendemos sobre nós. Tomamos a vida do pai e/ou da mãe, sem ser abusados por eles? Tentamos novas relações depois das decepções? Bancamos as dores e amores das escolhas feitas?);


11) Ressurreição: Darth Vader é pai de Luke e Leia. A aventura é autoconhecimento. (Entendeu que teve medo de engravidar porque houve perdas na família? Que quis se separar porque naquela mesma idade seus pais se separaram ou é infeliz no trabalho porque seus ancestrais viveram assim? Agradeceu à vida, o sustento, os sacrifícios deles sem se punir?);


12) Elixir: A Princesa Leia, Luke, Solo, Chewbacca e a rebelião vencem a Morte. Ela condecora os heróis. (Sua vida serve à vida? Reconhece e agradece o que ganhou e aprendeu? Ou ainda sente rancor pelos desafios que te treinaram?)

[i] A Trilogia Guerra nas Estrelas (Star Wars) capturou o inconsciente coletivo se tornando um dos filmes mais visto do século passado e atual. Uma das razões, acredito, é porque contou com a ajuda do mitólogo Joseph Campbell e seus estudos sobre os desafios da Jornada do Herói, no qual, todos nós em algum momento somos convidados a fazer. Campbell sistematizou as fases da Jornada em seu livro “O Herói de Mil faces” e em muitos outros, ressaltando a importância de conhecer os mitos e seus movimentos para nos guiarmos nos desafios da vida.

Ele e George Lucas, criador da trilogia Star Wars, conversaram muito sobre esta aventura humana contada repetidamente nas histórias mitológicas – ou o monomito, ou um mesmo herói que aparece em mil situações diferentes, mas com o mesmo desafio: se individuar, conhecer o seu caminho por meio dos desafios.


[ii] Campbell, Joseph. Herói de mil faces. São Paulo: Cultrix, 2007.

27 visualizações