NOSSAS REDES SOCIAIS

  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
Buscar

Breve exposição: O atendimento individual em Constelação Familiar.

Por René Schubert.

"Da Constelação Familiar resulta uma imagem, esta imagem penetra profundamente na alma. De repente a alma vê: este é o caminho." Bert Hellinger


Segue uma breve descrição sobre o procedimento de atendimento individual em consultório a partir da teoria sistêmica das Constelações Familiares segundo Bert Hellinger. Abordará-se uma vertente da terapia breve. Assim como em uma vivência ou workshop em Constelação Familiar, no consultório ou espaço terapêutico, o terapeuta facilitará um processo a partir de uma temática trazida pelo cliente. Isto se dá em um encontro, que no caso aqui descrito varia de uma hora e meia a duas horas. Neste espaço de tempo, ocorre um encontro com o cliente e seu sistema. Utiliza-se de ferramentas e recursos terapêuticos para que o cliente possa trazer, de forma segura e presente, sua temática. A partir deste momento, por meio do discurso do cliente, de exercícios sistêmicos, visualizações, técnicas de internalização, recursos e trabalho corporal o tema será vislumbrado, colocado e possivelmente tocado, descoberto, apontado, descrito, vivenciado, reconhecido, significado e/ou ressignificado, elaborado e, possivelmente, integrado.


Muitos clientes ao me procurarem para o trabalho com Constelações Familiares perguntam qual trabalho é mais efetivo, o trabalho em grupos, utilizando representantes ou o individual, utilizando ferramentas?


Estudando e aplicando ambos os processos, grupal e individual, percebo que há demandas para um e para outro, tal é muito particular de cada cliente e do momento de vida deste. Por vezes buscam algo mais individualizado e centrado em si mesmos, e tal faz sentido para a comunicação e linguagem singular deles, o procedimento lhes faz sentido estando em ressonância com o seu corpo e campo. Outros clientes, estando em outro momento, buscam um procedimento mais aberto e querem ver as manifestações nos representantes, a movimentação da imagem, da escultura familiar, e sentem como tal reverbera em si próprios, isto para eles tem mais efeito e impacto do que o trabalho individual.


Diferente do trabalho com grupo, em Constelações Familiares no trabalho individual estão presentes apenas o terapeuta e seu cliente. E, como afirmado pela Dra. Ursula Franke-Bryson este trabalho em consultório particular pode ser tão efetivo quanto o trabalho em grupo. Os processos básicos de formar um relacionamento, gerar recursos, criar perspectiva e trabalhar externalizando as estruturas internas de cada cliente são os mesmos. O trabalho ocorre de forma mais sutil e apoiado nas sensações e imagens trazidas pelo cliente. Neste sentido, cabe a colocação de Bert Hellinger “experimentamos que certos eventos produzem efeitos posteriores, não só na alma, mas também no corpo. É possível resgatar o que antigamente fez sofrer a alma e mais tarde também atuou no corpo. A pessoa volta a encarar o ocorrido, reconcilia-se com ele, aceitando-o tal como foi, e encontra então a partir da harmonia com seu destino, alívio e cura para seu corpo.”


A Dra. Ursula Franke-Bryson em diversos textos e livros aponta como o cliente já traz para o terapeuta uma imagem de seu tema, sistema, por vezes como uma imagem sintomática, uma imagem congelada, uma dificuldade, um problema. Por vezes, por meio deste trabalho é possível facilitar junto ao cliente que este obtenha ao final da consulta individual uma imagem de solução que o ajude e o fortaleça. Outras vezes, como pontuado por Bert Hellinger, o cliente e o sistema trazido por este, descortinará uma imagem da situação exatamente tal como ela é e por meio da postura do facilitador e do processo apresentado poderá assentir e receber a realidade tal como esta se mostra e é. Isto tem um efeito sobre o corpo e a alma do cliente e de seu sistema familiar. Este efeito leva seu tempo próprio.


Atua e reverbera de forma singular e no que é permitido para aquele cliente e pelo seu sistema. Por conta disto, orienta-se aos clientes, após o encontro terapêutico, que deixe a imagem, sensação, insight atuar em seu corpo e em seu campo sistêmico. E, caso o cliente queira trabalhar uma outra temática, que verifique quando é o melhor momento para nova imersão, olhar e processo terapêutico. Geralmente, recomenda-se trabalhar novamente quando o segundo processo de Constelação Familiar não interferir mais no primeiro feito. Alguns profissionais chegam a sugerir que se aguarde de 3 até 6 meses entre um tema e outro trabalhado em Constelação Familiar. Mas não há um prazo fixo ou regra acerca disto, tal deverá ser avaliado e verificado em cada caso que se apresenta. O facilitador atentará para que o espaço e processo não sejam utilizados de maneira leviana.


Como psicoterapeuta, utilizo diversas ferramentas clínicas aprendidas e desenvolvidas no decorrer dos anos de prática clínica em hospitais/clínicas psiquiátricos, centros de saúde e na experiência de consultório particular. Afora os conhecimentos do campo da psicologia, há referenciais da psicanálise, psicologia transpessoal, fenomenologia, programação neurolinguística (PNL) e da Hipnoterapia como ferramentas auxiliares na escuta, olhar e acompanhamento deste trabalho clínico. Efetivamente para o trabalho descrito neste artigo, afora o know-how referido, são utilizadas a teoria e o método das Constelações Familiares desenvolvidas por Bert Hellinger e, mais especificamente para a prática no consultório com atendimentos individuais, a tese de doutoramento e artigos teórico-clínicos da psicoterapeuta alemã Dra. Ursula Franke-Bryson. Em sua tese a Dra. Ursula Franke-Bryson explica as bases teórico-científicas por detrás da Constelação Familiar apontando para os profissionais e pensadores das diversas escolas da psicologia e filosofia como Jacob Levy Moreno, Virginia Satir, Ivan Boszormenyi-Nagy, Martin Buber e fazendo referência aos trabalhos de Viktor Frankl, Eric Berne, Milton Erickson, entre muitos outros.


Referências Bibliográficas:


Este breve trecho faz parte do capitulo: O trabalho individual em consultório com o referencial, olhar e recursos das Constelações Familiares, integrante do livro “Constelação Familiar: Impressa no corpo, na alma, no destino” pela Reino Editorial, São Paulo, 2019.


O trabalho individual em consultório com o referencial, olhar e recursos das Constelações Familiares (in) Revista Brasileira de Filosofia, Pensamento e Prática das Constelações Sistêmicas, Número 5, Editora Conexão Sistêmica, São Paulo, 2019.


Franke, U. - Quando fecho meus olhos vejo você – Editora Atman, Pato de Minas, 2006


Franke, U. - Recent developments in individual sessions. Steinhardt Film und Verlag, Karlsruhe, 2007


Franke-Bryson U. - O rio nunca olha para trás - Fundações históricas e práticas das Constelações Familiares segundo Bert Hellinger. Editora Conexão Sistêmica, São Paulo, 2013


Hellinger, B. - Religião, Psicoterapia e Aconselhamento Espiritual. Editora Cultrix, São Paulo, 2005

75 visualizações