Buscar

Engajamento Sistêmico – A Postura no Novo Mundo

Por Juliana Lemos


“Fica o que significa!” Sophie Hellinger

Nesse momento de mudanças, a qualidade da nossa postura interna alçou importância no cenário da vida nunca visto antes. Distanciamento social, novas formas de trabalho, algumas coisas caindo em desuso e outras ganhando importância, que até pouco tempo atrás sequer percebíamos.


A realidade é desafiadora e o futuro incerto. Ferramentas, soluções e atitudes antigas estão perdendo espaço nesse novo contexto, o caminho para solucionar problemas antigos com recursos do passado ficará cada vez mais estreito.


A maneira como nos portamos ganha maior protagonismo, seja a forma como lido com o veterinário do meu cachorro, com meus filhos, com a família em período de home office e até mesmo com a prioridade e importância que atribuo as coisas, as tarefas que faço diariamente. Percebemos mais do que nunca que UM impacta no TODO. Muito da vida é sistêmico, e ainda não tínhamos valorizado importância disso.


Engajamento é o produto da nossa postura no mundo. Quanto melhor a qualidade das minhas emoções, maiores serão as possibilidades de adaptação e criação de um novo saudável, funcional e produtivo. Fica o que significa, aqui, representa a qualidade emocional que nutre as relações.


Cada pessoa tem um jeito de fazer essa caminhada, ela é delineada por 2 mentes internas, e a energia dessas mentes tem qualidade de VIDA ou de MORTE, uma está desperta e a outra ainda dorme. E, são essas energias que vão determinar se me engajo ou não.


A mente desperta, tem a qualidade de estar aberta a aprendizados e crescimento contínuos, é disponível para se melhorar e melhorar sua volta, a pessoa é consciente que sua postura irá criar possibilidades e transpor desafios, então ela sabe que seus pensamentos e atitudes tem profundo impacto no todo.


Sabendo disso, ela se auto dirige rumo a uma trilha de contribuição, com essa postura o sucesso é consequência. Essa pessoa age sem esperar receber em troca, o que a motiva é o senso de saber que está desperta, e por isso sabe que seu papel tem importância, que sua contribuição gera impactos positivos na vida e no todo. Isso é postura sistêmica.


Quando a mente de Morte está mais operante, aquela que ainda está “dormindo”, o resultado de sua atuação costuma ter baixa energia, opero internamente em economia de energia, tudo que penso, crio e faço é guiado pelo meu autocentramento, motivado apenas por receber externamente, dos outros, ou trocar na justa medida, se recebo algo bom, faço algo bom e vice versa, um pouco parecido com aquele ditado do “olho por olho e dente por dente”. Nesse estado de mente a pessoa está centrada apenas nas suas necessidades pessoais, ela não pensa em contribuição. Não é maldade, é simplesmente o sistema mais operante e muitas vezes inconsciente. Nascemos de fábrica como seres recebedores, seres que dormimos acordados, chorávamos na infância até alguém vir e saciar nossa fome, somos assim por natureza. A mente adormecida é uma negociadora nata, sempre vai escolher ficar com aquilo que traz maior benefício para si. A pessoa por falta conhecimento, ainda vivendo na ignorância por falta de informação adequada, é impossibilitada de alcançar estados de maior clareza e desenvolver a inteligência necessária para acordar desse estado.


Sabendo que nascemos assim de fábrica, a pergunta inteligente é: Como mudar meu sistema interno para ser um contribuidor? Ou ainda, como ser uma pessoa engajada?

O único caminho possível é iniciando o desenvolvimento de uma nova postura relacional, através do consumo de conhecimento apropriado a despertá-la, para que aprenda a jogar o jogo da vida, onde criar uma visão de mundo atraente, equilibrada e saudável depende apenas de si mesmo. Onde o poder de persuasão criará resultados e relações de alto valor, tomando espaço frente a mecanismos de manipulação muito usados quando a mente está adormecida.


Engajamento não é algo que o outro faz por mim e recebo explodindo energia e compromisso de forma criativa e produtiva, engajamento é uma qualidade emocional interna, é fruto da postura que escolho ter na vida através do uso inteligente e direcionado do meu potencial inato de ser, que é essencialmente contributivo e está em estado latente em todos nós. Então, ninguém engaja ninguém.


Quem nunca se deparou com um reconhecimento, promoção ou aumento de salário que após o passar do tempo sentiu-se desmotivado novamente? Ou seja, desengajado. A mente nessa situação permanecia adormecida.


O caminho para despertar a mente passa por receber conhecimento e sair da ignorância de informação, aplicar essas informações novas para se posicionar de forma inteligente criando profundidade e integridade relacional, aqui se faz a real transformação da qualidade de emoção.


Fica o que significa! Ou seja, permanece o significado que eu escolho dar as relações. Uma nova imagem de vida surge nesse processo.


O real engajamento é consequência do despertar mental, e adoção da postura contributiva de forma inteligente, melhorando e aprofundando a qualidade das relações e vínculos. É uma troca dos óculos para ver e viver a vida de forma sistêmica, e assim começa a emergir a postura contributiva, que não espera receber em troca. Nesse estado, a atitude predominante é a escolha de situações de crescimento pelo prazer que isso traz pra si mesmo, não para agradar o outro ou ao mundo num caminho de submissão cega.


Fica o que significa!

Como você tem significado o que fica em você?

Juliana Lemos – Psicanalista e Facilitadora Sistêmica

Há alguns anos ajudo pessoas e empresas a diagnosticar e solucionar questões difíceis. Meu propósito é aportar conhecimento para facilitar vínculos, ordenar e equilibrar sistemas para que uma nova consciência pessoal e organizacional possa emergir. Essa jornada tem sido apaixonante e transformadora!

Instagram: @juliana___lemos

Canal Youtube: Juliana Lemos

LinkedIn: Juliana Lemos e Instituto Viaviva

0 visualização

NOSSAS REDES SOCIAIS

  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram