Os animais de estimação e a constelação familiar.

Por Aline Charane.



Há algum tempo, várias pessoas me pedem para falar sobre o papel sistêmico dos animais de estimação e nas nossas vidas.


Não existe muita literatura sobre o tema.


O que vou compartilhar são minhas experiências como consteladora e como aluna (dentro de vários seminários e cursos que participei).


Não sei se todos sabem, mas existe uma força inconsciente, que, na constelação familiar, chamamos de consciência coletiva ou grande alma familiar, que atua de forma oculta nos membros de um sistema familiar. Essa força zela pelo equilíbrio de 3 leis sistêmicas que Bert Hellinger chama de Ordens do Amor. (outro post posso falar sobre isso).


O importante aqui é saber que além de seus desejos e vontades pessoais, da sua consciência pessoal (EU), existe uma força coletiva que também influencia na sua vida, ok?


Como ela atua? Basicamente, ela escolhe descendentes, ou pessoas que entraram por último em um sistema familiar (consciência coletiva) para “resolver” as desordens das leis que mencionei acima.


Por exemplo, um luto não vivido na geração dos avós, pode ser sentida através de seus netos. É como se os netos vivessem um estado emocional semelhante a um luto, porém sem ser proveniente de uma perda atual.


E onde os nossos queridos bichanos entram?


Eles entram na função semelhante aos descendentes.


Identificam-se com algo que aconteceu lá atrás, e tenta resolver para você. Ao invés de você se identificar com a desordem, seu bichinho o faz. Tudo de forma inconsciente.


Um bom exemplo é a quantidade de bichanos doentes. Uma doença que poderia ter acontecido com você, mas de alguma forma, seu animal de estimação disse inconscientemente para você: “deixa que eu cuido disso.” E a doença de manifesta como uma forma de compensar a desordem sistêmica familiar. Talvez, se você tivesse um filho, poderia ser seu filho dizendo internamente essa frase (descendente).


É comum me procurarem para constelar questões de animais de estimação. Por exemplo, doenças e mortes. E existem muitas dinâmicas atrás de tudo isso. Uma vez constelei uma moça que tinha um cachorro que estava com câncer no intestino. No meio da constelação, o representante do cão se identificou com o representante do marido dela. Ela me olhou e disse: “meu marido está com câncer de intestino e não estou dando conta da situação”.


Eu tinha uma tia que cuidava de mais de 30 cachorros. Todos que passavam na casa dela deixavam um cão no seu quintal e ela foi adotando todos. Durante muito tempo eu me perguntava, quem esses cães representavam da nossa família? O que aconteceu lá trás, que eles surgiram dessa forma na vida dela.


O importante aqui é que os nossos animais de estimação estão à serviço de nosso sistema familiar, ou seja, eles querem ajudar a arrumar a bagunça da casa. E quanto mais tratamos um animal como “gente” mais ele se identifica com uma pessoa. Isso é muito real. Pode ser uma criança, um bebê, ou outra pessoa do sistema.


Perceba como você trata seu bichinho, o que ele desperta em você, e quais são as dinâmicas emocionais e comportamentais (além de físicas) que ele manifesta. Pode ser grandes informações pedindo por cura e integração e aí cabe a você, como um adulto, tomar a decisão interna de cuidar desses assuntos e deixar seu bichinho livre 😉.


Grande abraço,


Aline Charane.

1,041 visualizações

NOSSAS REDES SOCIAIS

  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram

Contatos: