Projeto de Vida.

Por René Schubert.


“A felicidade não é algo pronto. Ela vem de suas próprias ações” Dalai Lama


Refletindo sobre começos...Um novo ano se inicia, e junto a ele, uma série de planos, projetos, promessas, expectativas a serem alcançadas. Neste período, no consultório de psicologia, é muito comum trabalharmos como foi o ano anterior, o que deu certo, o que não deu certo, o que poderia estar impedindo o sucesso, o que faltou, os medos, os exageros, repetições de padrões, fracassos, inseguranças e, talvez o mais importante, onde se gostaria de estar?


O projeto de vida é uma forma de projeção no futuro. Mas não é simplesmente uma projeção imagética, do tipo: “Ah que bom seria se...”. Por ser um projeto de vida, ele precisa ter algumas características de fundamentação. Primeiramente, precisa ser escrito. Não basta este ser pensado e elucubrado. Precisa ser colocado no papel. É uma forma de concretização. Incrível como certos pontos ficam claros e outros se mostram débeis quando efetivamente colocados no papel. Colocar no papel é uma forma de projeção no futuro no sentido de objetivo, meta.


É importante que o projeto de vida se baseie em coisas palpáveis, concretas e possíveis para a pessoa. Objetivos claros e alcançáveis. Claros no sentido de pontuais, visíveis, precisos. Não basta colocar: “quero ser ‘rico’ em 2020” ou “quero ser magro”, torna-se mais pontual quando colocamos de forma objetiva: “Qual o valor mensal que preciso em minha vida para me tornar ‘rico(a)’?” ou “Quantos quilos quero ganhar/perder em determinado período de meu ano, para me sentir bem comigo mesmo(a)?”.


Desta forma posso dividir meu projeto de vida em algumas áreas que, para mim, são importantes em minha vida, como por exemplo: Estudos, Carreira, Financeiro, Saúde, Família, Relacionamentos, Espiritualidade. E para cada uma destas estabeleço para o ano, metas, tarefas, objetivos, claros e possíveis. Para cada uma destas áreas e metas, coloco uma série de questões para me orientar na direção que quero seguir como: O que é? (a meta) Quando? (no sentido de tempo que iniciarei e até quando irei adiante com) Quanto? (o custo ou investimento desta meta) Como? (procedimentos, recursos, auxiliares que farão com que a meta seja percorrida, realizada) Para que? (no sentido do que estou buscando com esta meta).


Como uma bússola, o projeto de vida é um recurso para me orientar no ano estabelecido, nas áreas que desejar. Ele pode e deve, de forma constante, ser revisto e atualizado. Pois após estabelecidas as metas, surgirão as dificuldades, percalços, obstáculos, desvios, pausas. Mas a meta está lá para nos lembrar do que estabelecemos para nós mesmos naquele ano. Não no sentido de cobrança, mas no sentido de orientação e possibilidade. Com o projeto de vida vou experimentar de forma clara meus limites e minhas possibilidades. Vou visualizar e vivê-las. E como em uma jornada minha, comigo mesmo(a), vou ajeitando o passo, o ritmo, o tempo. Assim não espero o futuro, eu o realizo, com objetivos.


Para aprofundar pesquisa sobre a temática:


Coluna escrita por René Schubert para o Jornal Zen em Janeiro 2020. Disponível de forma digital pelo link: https://issuu.com/jornal_zen/docs/pdf_janeiro_2020

Dalai Lama e Howard C. Cutler - A Arte da Felicidade: Um Manual Para a Vida. Martins Fontes, 2000

Leo Fraiman - Projeto de vida 100 dúvidas. Editora Esfera, 2013

Napoleon Hill - A lei do triunfo: 16 lições práticas para o sucesso. José Olympio, 2014

Rhonda Byrne - O segredo. Editora Sextante, 2015

65 visualizações0 comentário

NOSSAS REDES SOCIAIS

  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram

Contatos:

WhatsApp-logo-as.png