Quando a lagarta vira de ponta cabeça.

Por René Schubert.


Vou iniciar esta reflexão com duas frases de conhecidos filósofos: "Antes de curar alguém, pergunta-lhe se está disposto a desistir das coisas que o fizeram adoecer" de Hipócrates, e “É parte da cura o desejo de ser curado” de Sêneca.


No início do ano tivermos diversos eventos e publicações de instituições e grupos de psicologia divulgando o Janeiro Branco. Desde 2014 o mês de Janeiro é representado pela cor Branca para debater, informar, conscientizar a população em relação à importância da saúde mental. A importância das emoções, das dores da alma, dos espaços de escuta e de tratamento psíquico. Não ao acaso o mês escolhido é Janeiro pois é o mês que dá início ao ano, mês de reflexão, reinicio, momento de colocar as metas em prática, validar estratégias que correram bem no ano anterior e rever aquelas que fracassaram. É um mês que causa em certas pessoas: agitação, receios, duvidas e inseguranças. Não por acaso sinais que acometem pessoas com transtorno de ansiedade, depressão e/ou pânico. Quadros que tem se destacado e agravado no passar dos anos, afetando a vida familiar, profissional, acadêmica, relacional e pessoal de muitas pessoas.


Ano passado em diversos momentos palestrei para jovens e adultos sobre tristeza, depressão, ansiedade, medos, suicídio, comportamentos de risco, agressividade e violência, bullying, quadros compulsivos, uso e abuso de drogas. Vivemos em Megalópole, com diversas pressões, expectativas, conflitos, desafios, dificuldades. A busca pelo nosso lugar, por realizarmo-nos “perfeitamente” em nosso ambiente acadêmico e profissional, termos sucesso, termos dinheiro, sermos bem vistos e quistos, termos muitos views e likes, sermos bons, sermos completos...sermos aceitos. A questão é, nós nos vemos? Nós nos aceitamos a partir do que vemos? Nós nos escutamos? Nós, nos sentimos? Nós buscamos calibrar, realinhar, diferenciar, resignificar, elaborar o que vivemos, sentimos, convivemos?


A Organização Mundial da Saúde afirma que a saúde mental depende do bem-estar físico e social. A mesma também estabelece que somos seres Bio-Psico-Sociais e Espirituais. Ou seja uma multiplicidade de fatores, situações, agem e interagem conosco, o tempo todo. Interconectados e interdependentes. E nós? Agimos, ou reagimos? Observamos e respiramos conscientemente o que se passa à nossa volta ou engolimos o ar e tentamos suprimir, deletar ou alienarmo-nos do que nos cerca e também pulsa dentro de nós?


Sigmund Freud apontava: “Somos feitos de carne, mas temos de viver como se fôssemos de ferro”. É...é uma jornada e tanto por esta cultura, por esta linguagem, por este mundo. Teremos momentos de resiliência e força. E outros nos quais ficaremos frágeis. Nos sentiremos sozinhos, pequenos e incapazes. Vulneráveis e desamparados. Nos sentiremos...humanos. É preciso reconhecer nossos pontos fracos, vulnerabilidades, impossibilidades e incapacidade para aquela tarefa e/ou momento e, por vezes, pedir ajuda. Retirar-se da situação, dar um tempo. Permitir-se receber ajuda. A importância de reconhecer que algo não vai bem e que é necessária ajuda é um passo inicial e fundamental para que se caminhe para o reestabelecimento e transformação.


E, por vezes, as crises em nossa vida são oportunidades desta transformação ocorrer. Possibilidades para ir além do que sei e sou até então. E posso fazer esta caminhada acompanhado. Saúde mental é reconhecer que não somos completos...somos sim incompletos e, por vezes, precisaremos do apoio, da escuta, da troca com outro. Este outro pode ser um amigo, um familiar, um colega assim como também um terapeuta, um médico, um especialista em saúde mental. Um outro, disponível e ciente, tal como nós, de nossa incompletude.


Referências para estudo:


Bert Hellinger - Religião, Psicoterapia e Aconselhamento Espiritual. Ed. Cultrix, São Paulo 2005

Irvin Yalom – Os desafios da terapia. Ediouro, Rio de Janeiro, 2006

Quando a largata vira de ponta cabeça – Coluna mensal de René Schubert para o Jornal Zen. Ano 16, N°180, São Paulo, Fevereiro 2020

Do mergulho na escuridão ao emergir da luz. Isabella Sprovieri (2020) (in) Movimento Sistêmico - https://www.movimentosistemico.com/post/do-mergulho-na-escurid%C3%A3o-ao-emergir-da-luz

Psicoterapia Funciona? (in) Blog Consultório Psicologia (Junho 2017): https://clinicavitoriaregia.blogspot.com/2017/06/psicoterapia-funciona.html?

146 visualizações

NOSSAS REDES SOCIAIS

  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram

Contatos: