.que saudade, Mãe.

por Priscila de Carvalho Barbosa

Instagram: @vivendo_magenta



Que saudade, Mãe

Quanta saudade

E não é a distância física que nos separa

Nenhuma desgraça biológica

Nem a cela

Nem a morte

.

Que saudade, Mãe

Que saudade imensa eu descobri que estava morando aqui

.bem aqui dentro desse todo de mim.

Saudade, Mãe

Saudade imensa de você

.e eu nem sabia.

.

Tava tudo tão difícil

Sem sentido

Amargo

Distorcido

E olhando pro que estava por trás disso tudo

Encontrei a jovem adolescente

E a jovem mulher que fui

E, sem nem saber, eu fiz tantos julgamentos a você, minha Mãe

E, sabendo, destilei tantas receitas e caminhos e soluções

.para a sua vida.

.para as suas questões.

- como eu as via -

Quanta arrogância, Mãe

Quanta prepotência

Não sei onde aprendi

Não sei onde descobri alguma segurança nesse lugar ermo dos julgamentos

Das classificações, Mãe

Eu juro

.eu não sei.

Mas, sim, eu achava que estava me sentindo muito segura

Sábia

Esclarecida

Enquanto avaliava

E julgava você,

Minha doce e terna, Mamãe

.e eu sinto tanto.

.eu sinto muito.

.muito.

.

E sabe como eu descobri essa saudade,

Mamãe

.?.

Lembrando do seu amor

.

Do calor no seu colo

Enquanto você me amamentava

E eu te olhava e admirava seus olhos que sorriam

.pra mim.

E sentia seu calor e seu cheirinho bom

E seu afago tão terno nos meus cabelos

.

Me lembrei dessa saudade

Quando revisitei as tardes de estudo em casa

Eu com meus colegas na mesa

E você sempre por perto

Brincando

Expandindo a criatividade nos trabalhos com arte

Nos olhando

Nos cuidando

Nos acolhendo

Nos motivando

.

E sabe o que mais eu lembrei, Mãe?

Você até me ajudava a ver

Quando um coleguinha não parecia bem